Dogue Alemão

O Dogue Alemão está entre as raças mais pacientes com crianças, sendo um dos mais elegantes cães de guarda. Apesar de ser um gigante, é extremamente cuidadoso e, até mesmo delicado co tudo que o cerca. Esta docilidade só é quebrada quando entra um estranho em casa. Embora um Dogue dificilmente morda, seu tamanho e seu latidos impõem respeito. Já os amigos são sempre bem vindos, e o Dogue é até capaz de pular no colo deles, pedindo carinho.
A raça não é recente. Conhecida também como ” Dinamarquês”, “Deutsche Dogge”, ” Great Dane”, ” Alano”, ” Mastiff Alemàn”, “Hatzrüde”, “Saupacker”, “Gross Dogge”, já em 3.000 a. C, foram feitos desenhos de cães muito parecidos com Dogues em monumentos egípcios, bem como há documentos contendo descrições desses cães em literatura chinesa do ano de 1.121 a . C. Supõe-se que a raça seja uma evolução do” Irsh Wolf Wound”, do Mastiff Inglês”, ou , ainda, uma mistura das duas. A verdade é que o primeiro Dogue Alemão, de que se prova da existência, apareceu em uma exposição na Inglaterra em 1859, e o primeiro padrão oficial foi elaborado em 1880, em Berlim.
Originalmente destina-se à caça de javalis, feita pelos nobres. Caçando em dupla, os Dogues emparelhavam com o javali na corrida: um o empurrava, para que ele se desequilibrasse, e o outro pudesse atacá-lo, com menor risco de revide. Para uma caçada nesses termos, era preciso um cão extremamente ágil, forte e corajoso.
Aparência Geral
O Dogue Alemão reúne, em sua aparência, dignidade, força e elegância, com grande tamanho e um corpo forte, bem musculoso, uniforme e bem estruturado. É uma das raças gigantes, mas, distingue-se das demais porque sua formação geral deve ser de tal modo bem balanceada que jamais possa parecer desajeitado, sendo sempre uma unidade – o apolo dos cães. Deve ser corajoso, jamais tímido. É amigável e independente. A combinação física e mental é característica que confere ao Dogue Alemão a majestade única, incomum em qualquer outra raça. O macho deve parecer mais substancioso em tudo, que a fêmea, com estrutura mais pesada. Na relação entre comprimento e altura maior e ossatura mais pesada. Na relação entre comprimento e altura, o Dogue Alemão deve parecer o mais quadrado possível. Nas fêmeas, é permitido um corpo ligeiramente mais alongado.
Cores e marcações:

DOURADOS:
Do amarelo-dourado-claro ao amarelo-dourado-escuro, com acentuada máscara preta. O preto pode, ou não, aparecer nos olhos, orelhas e ponta de cauda. Dá-se sempre preferência à coloração amarelo-dourado-profundo.
TIGRADOS
A cor-base vai do amarelo-dourado-claro ao amarelo-dourado-escuro, sempre tigrado com fortes riscas pretas. Dá-se preferência à máscara em preto profundo. A coloração preta pode aparecer, ou não, nos olhos, orelhas e ponta de cauda. Quanto mais intensa a cor básica e mais distinto o rajado, mais atraente será a coloração.
AZUIS:
A cor deve ser de um azul-aço, puro o mais possível, sem qualquer coloração amarela, preta ou cinza-rato.
PRETOS:
De coloração preto-brilhante.
ARLEQUINS:
A cor-base deve ser o branco-puro, com manchas pretas, irregulares e bem distribuídas por todo o corpo; o pescoço em branco-puro é ideal.

FICHA:
TAMANHO: O macho não deve ter menos de 82 cm de altura nos ombros (cernelha) e a fêmea, não deve ter menos de 76 cm.
PELAGEM: A pelagem deve ser bem curta, espessa e brilhante.
SUBSTÂNCIA: Significa razoável quantidade de ossos e musculatura, em balanço com a estrutura.
ANDADURA: Passadas longas, fáceis, elásticas, sem sacudir ou balançar o corpo. A linha de dorso deve mover-se uniformemente, paralela ao solo, com o mínimo de oscilação. A andadura do Dogue Alemão evidencia grande força e resistência, demonstrando bom alcance na frente e forte ação propulsora dos traseiros.
POSTERIORES: A garupa deve ser cheia, ligeiramente inclinada e deve prosseguir, imperceptivelmente, até a inserção da calda.
PERNAS: As coxas são largas e musculosas. As pernas, propriamente ditas, são fortes e longas. Vista de lado, as angulações do fêmur com o corpo, daquele com a tíbia e o perônio e destes com o metatarso devem ser muito moderadas, jamais acentuadas com exageros e muito menos retas.
PATAS: Redondas e sem apontarem para dentro ou para fora. Dedos curtos, muito arqueados e bem fechados. Unhas fortes, curtas e tão escuras quanto possível.
ANTERIORES (Ombros, Pernas e Patas): Os omoplatas devem ser fortes e com angulação oblíqua e, quando vistos de lado devem formar, na medida do possível, um ângulo reto de sua articulação com o úmero (braço) de modo a conferir uma passada longa. Os braços devem ser fortes e musculosos.
CABEÇA: Em harmonia com a aparência geral, longa, estreita, expressividade marcante, sutilmente cinzelada, principalmente na região abaixo dos olhos, bem desenvolvida, sem entretanto ser protuberante. A distância da ponta da trufa até o stop, bem marcado é, de preferência, igual a distância do stop ao occiptal, que é levemente marcado. As linhas superiores do focinho e do crânio são paralelas.

About the Author